Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

A Humana oferece FRETE GRÁTIS nas compras acima de R$ 100,00
30 poemas de um negro brasileiro

30 poemas de um negro brasileiro

Oswaldo de Camargo
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Companhia das Letras
ano de publicação 2022
categoria(s) Poesia
subcategoria(s) Poesia brasileira
número de páginas 120
peso 255g
dimensões 21cm / 14cm / 1cm
R$ 54,90

descrição

Antologia inédita de poemas de Oswaldo de Camargo, escritor que desmonta, através da literatura, alguns castelos em que se escondem o preconceito e o racismo. Esta edição conta com prefácio de Florestan Fernandes e obra de capa de O Bastardo.

"Eu tenho a alma e o peito descobertos/ à sorte de ser homem, homem negro,/ primeiro imitador da noite e seus mistérios." Assim começa o poema "Atitude", de Oswaldo de Camargo, que inaugura a segunda parte deste livro. 30 poemas de um negro brasileiro é resultado da união de 15 poemas negros – lançado pela primeira vez em 1961, em uma edição limitada da Associação Cultural do Negro – e de poemas publicados nas obras O estranho e Luz & breu.

Um dos mais importantes intelectuais brasileiros, Camargo traz nos versos deste livro sua autenticidade poética para tratar de negritude e ancestralidade. "Eu tenho dentro em mim anseio e glória/ que roubaram a meus pais./ Meu coração pode mover o mundo,/ porque é o mesmo coração dos congos,/ bantos e outros desgraçados,/ é o mesmo", declara o poeta.

No prefácio de 15 poemas negros, reproduzido nesta edição, o sociólogo Florestan Fernandes evidencia que as palavras do jovem militante eram atuais à época e seguem atuais hoje, pois suscitam novos ensinamentos: "Ninguém melhor que um poeta para revitalizar as aspirações igualitárias [...] que orientaram os grandes movimentos sociais negros da década de 1930". Numa produção que perpassa mais de quarenta anos de luta e resistência, esta antologia reforça a excepcionalidade da obra de Oswaldo de Camargo, que, a partir da experiência individual e coletiva de homem negro num país de passado escravocrata, reverbera sua voz atemporal.

"É uma alegria imensa ter a oportunidade de ver os textos de Seu Oswaldo sendo os responsáveis por esta encantadora abertura de portas, que conduzirá uma nova geração de brasileiros a um encontro com si mesmos." – Emicida

voltar à tela anterior