Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

Promoção de abertura: frete grátis para compras acima de R$ 150,00
Bartleby e companhia

Bartleby e companhia

Enrique Vila-Matas
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Companhia das Letras
ano de publicação 2021
categoria(s) Ficção
subcategoria(s) Literatura ibérica
número de páginas 184
peso 302g
dimensões 21cm / 14cm / 1cm
R$ 69,90

descrição

Romance, livro de contos, de ensaios, crítica literária, peça de humor: publicado originalmente no ano 2000, o premiado Bartleby e companhia marcou época ao colocar o fazer literário no espelho e mesclar diversos gêneros de maneira radical.

Neste livro premiado e inclassificável, o catalão Enrique Vila-Matas recupera a figura de Bartleby (personagem criado por Herman Melville), um jovem escrivão que se esquiva de obrigações e misteriosamente vai se ausentando de toda e qualquer atividade graças a uma resposta enigmática que dá a todos que pedem para que realize algo: "eu preferia não o fazer". A frase deixa seus interlocutores perplexos, e pouco a pouco Bartleby se isola até quase sumir.

Vila-Matas faz com que essa "pulsão negativa" escape do conto de Melville e, como um vírus, atinja diversos escritores por toda parte. O protagonista de Bartleby e companhia, então, se dedica a rastrear e catalogar autores, fictícios e reais, que escolheram o silêncio, como o americano J. D. Salinger, que, após se tornar uma celebridade com O apanhador no campo de centeio, afastou-se da sociedade e deixou de publicar, ou o suíço Robert Walser, cujo maior sonho era ser esquecido.

Ao escrever sobre o ato de não escrever, Vila-Matas captou com perspicácia a crise do pós-modernismo, em que se supõe que todas as ideias já foram inventadas e não resta mais originalidade, para construir, a partir de detritos e restos, uma obra cômica e explosivamente criativa que se tornou objeto de culto ao redor do mundo.

"Uma dimensão paralela onde não escrever é um modo de vida, onde o silêncio pode ser não uma renúncia mas uma conquista ou uma afirmação." – Antonio Tabucchi

voltar à tela anterior