Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

A Humana oferece FRETE GRÁTIS nas compras acima de R$ 100,00
A bruxa não vai para a fogueira neste livro

A bruxa não vai para a fogueira neste livro

Amanda Lovelace
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Leya
ano de publicação 2018
categoria(s) Poesia, Infantojuvenil
subcategoria(s) Poesia estrangeira
número de páginas 208
peso 336g
dimensões 21cm / 14cm / 2cm
falta temporária
No momento este item está em falta. Convidamos você a entrar em contato para avaliarmos a encomenda do que você deseja. Fone/WhatsApp: 49 3316-4566 / Instagram: @humanasebolivraria / E-mail: humanasebolivraria@gmail.com.

descrição

Aqueles que consideram “bruxa” um xingamento não poderiam estar mais enganados: bruxas são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Resgatando essa imagem ancestral da figura feminina naturalmente poderosa, independente e, agora, indestrutível, Amanda Lovelace aprofunda a combinação de contundência e lirismo que arrebatou leitores e marcou sua obra de estreia. A princesa salva a si mesma neste livro, cujos poemas se dedicavam principalmente a temas como relacionamentos abusivos, crescimento pessoal e autoestima. Agora, em A bruxa não vai para a fogueira neste livro, ela conclama a união das mulheres contra as mais variadas formas de violência e opressão.

Dividido em quatro partes (“O julgamento”, “A queima”, “A tempestade de fogo” e “As cinzas”), A bruxa não vai para a fogueira neste livro é mais do que uma obra escrita por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres: trata-se de uma mensagem de ser humano para ser humano – um tijolo na construção de um mundo mais justo e igualitário. “É meu movimento #MeToo pessoal”, afirma a autora. “Na época em que comecei a compilar os poemas, celebridades como Ke$ha e Taylor Swift estavam falando sobre assédios que sofreram ou mesmo processando seus agressores. Elas me inspiraram a escrever sobre como a cultura do estupro moldou a minha vida e as das mulheres ao meu redor.”

Ao lado de Rupi Kaur, de Outros jeitos de usar a boca e O que o sol faz com as flores, Amanda é hoje um dos grandes nomes da nova poesia que surgiu nas redes sociais e, com linguagem direta e temática contemporânea, ganhou as ruas. Seus poemas comovem, aproximam e incentivam a luta contra as chamas do preconceito e da opressão ao mostrar que cada mulher é capaz de amar profundamente a si mesma, do jeito que é. Muitos podem continuar a julgar e marginalizar – mas, desta vez, e a partir de agora, a bruxa não vai para a fogueira.

voltar à tela anterior