Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

A Humana oferece FRETE GRÁTIS nas compras acima de R$ 100,00
Cadernos do cárcere (Volume 3)

Cadernos do cárcere (Volume 3)

Antonio Gramsci
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Civilização Brasileira
ano de publicação 2022
subcategoria(s) Política, Filosofia, História
número de páginas 426
peso 631g
dimensões 23cm / 16cm / 3cm
R$ 59,90

descrição

Neste volume, Gramsci faz um estudo sobre as ideias de Maquiavel e prova que o pensador não apenas especulou sobre a realidade, mas criou uma sólida linha filosófica sobre governos e governados.

“Os leitores familiarizados com Antonio Gramsci e os novos, já uma legião, têm aqui o terceiro volume da edição brasileira dos famosos Cadernos do cárcere. Trata-se do volume em que brilham os temas talvez mais caros ao grande pensador socialista italiano: os relativos ao Estado, às questões da hegemonia e à política, incluindo-se o famosíssimo estudo sobre Maquiavel. Ainda assim esta é uma opinião arriscada, pois o pequeno grande sardo nunca considerou menor qualquer tema que dissesse respeito aos dilemas humanos. A atualidade de Gramsci é quase covardia perante outros paradigmas e teorias que, sucessivamente, sucumbem às novas configurações das grandes encruzilhadas da história. O pensamento de Gramsci os enfrenta com galhardia, em sua complexidade, exatamente porque nunca reduziu a realidade a modelos que, por mais elaborados que sejam, padecem, inevitavelmente, do mal reducionista.” - Francisco de Oliveira

“Nos Cadernos, o partido político operário é visto como o centro de uma ampla trama de instituições sociais e políticas, através das quais se realiza o avanço de uma classe e de seus aliados, ou seja, de forças sociais, de massa. A atenção voltada para os aparelhos de hegemonia, para as ideologias, para a fenomenologia dos partidos políticos, tem como objetivo investigar o modo pelo qual é possível realizar o amadurecimento de uma nova relação entre os ‘simples’ e a política. Toda a investigação gramsciana gira em torno desta pergunta; a distinção entre governantes e governados deve ou não ser perpetuada? Nas posições de Gramsci já existe algo que não só seleciona determinados aspectos do leninismo, privilegiando-os diante de outros, mas que também ‘força’ o sentido deles e os desenvolve. Ele encaminha uma inovação com relação a Lenin, mas sem abandonar o patrimônio positivo contido no leninismo.” -Pietro Ingrao

voltar à tela anterior