Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

Promoção de abertura: frete grátis para compras acima de R$ 150,00
Cine-Olho manifestos, projetos e outros escritos

Cine-Olho manifestos, projetos e outros escritos

Dziga Viértov
tipo livro
estado novo
capa comum
editora 34
ano de publicação 2022
categoria(s) Artes
subcategoria(s) Cinema
número de páginas 704
peso 999g
dimensões 23cm / 16cm / 4cm
R$ 124,00

descrição

Autor de clássicos como O homem com a câmera e a série Kino-Pravda, Dziga Viértov (1896-1954) foi pioneiro de uma linguagem própria para o cinema, cortando os laços que ainda o atavam ao teatro e à literatura. Na Revolução Russa de 1917, o diretor participou dos agit-trens, percorrendo um país em convulsão nos vagões onde eram projetados filmes para camponeses, soldados e operários. Durante toda a sua trajetória, praticou e defendeu o lema de seu amigo Maiakóvski, segundo o qual não há arte revolucionária sem forma revolucionária, pagando um alto preço a partir do momento em que a cartilha do realismo socialista foi imposta pelo stalinismo.

A partir do gênero do cinejornal, Viértov quis “apanhar a vida de surpresa”, criando filmes que responderam à urgência do momento em que atuava. Como explica Luis Felipe Labaki, tradutor e organizador do volume, o diretor fundia na película um amplo arco de influências, como a música de Scriábin, a produção de agitação e propaganda, o construtivismo e a poesia futurista de Maiakóvski e Khliébnikov. A originalidade de seu pensamento rendeu debates com Eisenstein, René Clair, Chaplin e outros gigantes de seu tempo. Quando, após Maio de 1968, Godard, Jean-Pierre Gorin e outros quiseram levar às últimas consequências os experimentos da Nouvelle Vague, criaram o Grupo Dziga Viértov. E hoje, na Babel de imagens em que vivemos, o diretor segue inspirando novas gerações.

Embora referência incontornável, Viértov teve pouquíssimos escritos publicados em nossa língua e quase sempre em traduções indiretas. O presente volume busca reparar essa lacuna, reunindo manifestos, roteiros, artigos, projetos, cartas e poemas, todos eles traduzidos do russo, com vários inéditos, acompanhados de mais de cem imagens da Coleção Dziga Viértov do Österreichisches Filmmuseum de Viena.

voltar à tela anterior