Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

A Humana oferece FRETE GRÁTIS nas compras acima de R$ 100,00
Como fazer amor com um negro sem se cansar

Como fazer amor com um negro sem se cansar

Dany Laferrière
tipo livro
estado novo
capa comum
editora 34
ano de publicação 2012
categoria(s) Ficção
número de páginas 152
peso 293g
dimensões 21cm / 14cm / 1cm
R$ 47,00

descrição

Sucesso imediato de público e de crítica, Como fazer amor com um negro sem se cansar é o romance de estreia de Dany Laferrière, um dos principais escritores contemporâneos de língua francesa, nascido no Haiti em 1953. Com altas doses de humor, erotismo, sarcasmo e poesia, a obra retrata o cotidiano e as fantasias de dois jovens negros exilados no Quebec durante um tórrido verão dos anos 70. Ao som de muito jazz, sexo e boa literatura, este é um livro que ri - e faz rir - dos estereótipos culturais e sexuais.

Nascido no Haiti em 1953, Dany Laferrière deixou seu país em 1976 fugindo da ditadura de Baby Doc. Emigrando para Montreal, no Canadá, onde trabalhou inicialmente num curtume, foi obrigado a reinventar a sua vida contando unicamente com a poderosa mola propulsora da literatura.

Seu livro de estreia, sucesso de público e crítica, Como fazer amor com um negro sem se cansar, publicado em 1985 e logo levado ao cinema por Jacques W. Benoît, é o primeiro título da "autobiografia americana" de Dany Laferrière. Ambientado na década de 1970 em Montreal, no Quebec, num pequeno apartamento da rua Saint-Denis e seus arredores, o livro põe em cena dois jovens negros exilados: um aspirante a escritor, que vive várias aventuras amorosas, e seu curioso companheiro de quarto, o "filósofo" Buba, que passa o tempo a dormir, ouvir jazz e a ler o Corão. No centro da trama estão as diferenças entre cultura de origem - o trópico caribenho e, no fim das contas, a África - e cultura de inserção - a próspera sociedade quebequense da América do Norte. É esta discrepância que vai turbinar as relações entre os sexos numa época em que a maioria das jovens universitárias estava decidida a passar por cima das fronteiras de cor, credo e classe social.

Retrato divertido do cotidiano e das fantasias de dois outsiders, mas também inédito acerto de contas com a América, Como fazer amor... combina altas doses de humor, erotismo, sarcasmo e poesia para dar voz a esse diálogo intenso, vivo e exuberante que se trava na pele, mas também no imaginário de diferentes culturas.

voltar à tela anterior