Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

Promoção de abertura: frete grátis para compras acima de R$ 150,00
Enquanto isso em Dom Casmurro

Enquanto isso em Dom Casmurro

José Endoença Martins
tipo livro
estado usado
capa comum
editora Paralelo 27
ano de publicação 1993
categoria(s) Ficção, Artes
número de páginas 128
peso 240g
dimensões 20cm / 13cm / 1cm
R$ 20,00

descrição

Livro usado em bom estado de conservação; Com carimbo na folha de rosto; Sem assinatura, grifos e anotações; Capa com marcas do tempo; Miolo e encadernação preservados; Corte e páginas com amarelamento e sujidades do tempo; Nossos livros são embalados com plástico-bolha para o envio (imagem ilustrativa; se desejar a foto do livro, basta entrar em contato conosco).

Sinopse: Se ousarmos um pouco, podemos afirmar que, no princípio, era Dom Casmurro a linguagem. Linguagem. Também era o pensamento de Capitu. Romance realista é Caixa de Pandora. Às vezes, personagens como ela dão um basta às amarras e debandam. Buscam outros ares. Outras histórias. Ela acabava de debandar. Se ousarmos ainda mais, podemos desejar que, agora, é Enquanto isso em Dom Casmurro a linguagem da linguagem. Capitu já se encontrava na nova história. Proferia as primeiras palavras. Sujas. Para sentir o efeito da linguagem na voz própria, e ouvidos. “Merda. Que vidinha de merda essa minha.”

O ensaio verbal agradara à autora. A linguagem tinha carne, energia, vida. Tinha mais, muito mais, que Machado de Assis. Esta cidade já foi negra, bem negra. Tão negra como a negritude da louca Bertília, do vereador Badias, do Príncipe Negro. De outros negros, muitos outros negros. Tantos negros. Mais negros que Machado de Assis. A alma é negra. Que ela volte, então. A louca negra alma de Bertília voltará.

voltar à tela anterior