Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

A Humana oferece FRETE GRÁTIS nas compras acima de R$ 100,00
Finnegans Wake (por um fio)

Finnegans Wake (por um fio)

James Joyce
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Iluminuras
ano de publicação 2018
categoria(s) Ficção
subcategoria(s) Literatura irlandesa
número de páginas 184
peso 330g
dimensões 23cm / 16cm / 2cm
R$ 65,00

descrição

...por um fio, por dentro da linguagem noturna de Finnegans Wake, Dirce Waltrick do Amarante nos conduz até um fim. O resultado é a presente tradução autoral da última obra literária de James Joyce, publicada em 1939.

Já que a circularidade do Wake impede que exista começo, meio ou fim, a tradutora encontrou a ponta do fio narrativo onde bem quis e largou-a onde bem entendeu. Ou não foi bem assim?

Para esta tradução, entre as 628 páginas em que o livro de Joyce foi originalmente publicado em inglês (ou fineganês), DWA (Dirce Waltrick do Amarante) fixou-se em pontos de referência como ALP (Anna Livia Plurabelle) e HCE (Humphrey Chimpden Earwicker) – personagens que o leitor conhecerá assim que abandonar esta orelha e for direto ao ponto – além de menções a Giambasttista Vico e Lewis Carroll. Ela também selecionou alguns trechos do livro mais conhecidos dos leitores ou que primam pelo trabalho poético.

Um dos méritos dessa retradução condensada do Wake é não ter a pretensão de recomeçar do zero. A tradutora, também estudiosa da obra de Joyce, dialoga francamente com John Cage, Ana Hatherly e com os irmãos Campos. Ela nos conta, ainda, que durante seu andarilhar tradutório valeu-se de pistas de outros estudiosos e tradutores. Nada mais ético.

As obras de Joyce constantemente nos convidam a traduzir e pensar sobre tradução. Estudos sobre suas retraduções para as mais diversas línguas ajudaram não apenas a entender Joyce, mas também renderam importantes ideias sobre a própria tradução literária. Este Finnegans Wake (por um fio) é mais uma contribuição na mesma linha.

Quanto ao título, tal é a riqueza de possibilidades contida em “Finnegans Wake” (atenção: sem apóstrofo!) que, ao não ter optado por solução já conhecida em português, Dirce Waltrick do Amarante não despertou o gigante do livro em lugar dos leitores, mas atribuiu a nós a liberdade de fazê-lo.

Vamos então ler este pequeno Wake de fio a pavio, fiando-se no trabalho da tradutora-autora, que nos apresenta um fio narrativo, mas dando a entender, nos entrefios, que em Joyce nossa leitura está sempre...

  • Vitor Alevato do Amaral
voltar à tela anterior