Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

Promoção de abertura: frete grátis para compras acima de R$ 150,00
Homens em guerra

Homens em guerra

Andreas Latzko
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Carambaia
ano de publicação 2019
categoria(s) Ficção
subcategoria(s) Contos, Literatura austríaca
número de páginas 152
peso 229g
dimensões 21cm / 14cm / 1cm
R$ 29,90

descrição

Oficial do exército Austro-Húngaro relata, em seis contos, o horror e o absurdo da guerra, em livro proibido que se tornou um libelo pacifista na Europa.

Publicado anonimamente pela primeira vez em 1917, e inédito no Brasil, Homens em guerra é uma das grandes obras-primas da literatura publicadas durante a Primeira Guerra Mundial. O livro é composto por seis contos que trazem um relato pungente e ao mesmo tempo poético do horror, da loucura e do absurdo do conflito em curso.

Muitas das cenas descritas foram vividas pelo autor, Andreas Latzko (1876-1943), húngaro de expressão alemã que atuou como oficial do Exército Real do Império Austro-Húngaro. Lançado na Suíça, onde o autor se recuperava de traumatismos sofridos no front, o livro foi traduzido em várias línguas e prontamente censurado nos países envolvidos no conflito. Latzko foi identificado como autor e destituído de seu posto militar. O livro tornou-se um dos principais libelos dos militantes pacifistas na Europa.

Em texto raro sobre Latzko, de quem era entusiasta, o escritor austríaco Stefan Zweig relatou como foi a recepção de Homens em guerra na Europa: “Soltamos um grito de alegria: a verdade, acorrentada, tinha rompido suas correntes, suplantou as cem barricadas da censura, foi ouvida no mundo inteiro! Esperamos pelo livro, o livro proibido que os guardas espreitavam vigilantemente nas fronteiras para que não viesse envenenar a mentira tão bem cuidada pelo grande entusiasmo”.

A edição conta com um texto de apresentação de Stefan Zweig e um depoimento do escritor francês Romain Rolland, ambos entusiastas da literatura e da tomada de posição de Latzko. A tradução do alemão foi feita por Claudia Abeling.

voltar à tela anterior