Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

Promoção de abertura: frete grátis para compras acima de R$ 150,00
Memórias de um Rato de Hotel

Memórias de um Rato de Hotel

Dr. Antônio
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Dantes
ano de publicação 2015
número de páginas 182
peso 334g
dimensões 21cm / 14cm / 2cm
R$ 37,00

descrição

Em 1911, quando estava preso na Casa de Detenção, Antunes Maciel foi convidado como Dr.Antônio pelo diretor da Gazeta de Notícias para publicar suas histórias no jornal.

Seu relato foi escrito e/ou ditado no cárcere, aos 43 anos, seu último ano de vida. Além da publicação diária entre 24 de dezembro de 1911 e 3 de fevereiro de 1912, “Memórias de um Rato de Hotel” foi publicado em livro pela editora da Gazeta de Notícias em 1912 , edição posteriormente utilizada pela Dantes para as suas próprias edições. Apenas três exemplares remanescentes são conhecidos ainda hoje.

O exemplar usado para as edições da Dantes traz em sua folha de rosto uma observação manuscrita por seu proprietário original, o crítico literário Francisco Prisco: “o autor deste livro é João do Rio”. Esse exemplar foi encontrado em uma pilha de livros da livraria São José pelo Plínio Doyle. No mundo dos “ratos de livros”, não se trata de uma coincidência, mas sim de um tipo de “mensagem na garrafa”, lançada no mar das letras para um leitor além-tempo. Quando a editora Anna Dantes foi convidada pela revista de Domingo para entrevistar Plinio, levou de presente alguns exemplares da Coleção Babel, livros inéditos *ou esgotados de Lima Barreto, João de Minas e de outros autores perdidos na poeira do tempo reeditados pela Dantes. Quis o destino que a gravação da entrevista se perdesse, e Anna precisasse voltar para refazê-la e então receber de Plinio Doyle, que nesse meio tempo já lera e observara o caráter cosmopolita das edições da Dantes, a sugestão para editar “Memórias de um rato de Hotel”.

O texto foi estabelecido por Raquel Valença e novamente revisado por Cesar Burgos, que assina a nota editorial desta edição.

voltar à tela anterior