Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

Promoção de abertura: frete grátis para compras acima de R$ 150,00
O nosso reino

O nosso reino

Valter Hugo Mãe
tipo livro
estado novo
capa comum
editora Biblioteca Azul
ano de publicação 2019
categoria(s) Ficção
subcategoria(s) Literatura ibérica, Romance
número de páginas 184
peso 325g
dimensões 22cm / 15cm / 1cm
R$ 54,90

descrição

Romance de estreia de Valter Hugo Mãe, este é o primeiro livro da série composta por o remorso de baltazar serapião, o apocalipse dos trabalhadores e a máquina de fazer espanhóis, em que o autor compõe livros apenas com as letras minúsculas ― e que acabou se tornando uma das características das suas obras.

Como define o próprio autor, “o nosso reino é o retrato de uma solidão espiritual a partir do vulnerável ponto de vista infantil”. Neste romance de estreia de Valter Hugo Mãe, o menino Benjamim, criatura de profunda candura, procura na manifestação divina uma saída para o desamparo em que vive. A história é ambientada numa aldeia portuguesa de pescadores, nos anos 1970, durante os momentos finais da ditadura salazarista. Em meio a uma convulsão histórica que mal parece afetar a vida da pequena aldeia, o protagonista de oito anos de idade procura alguma forma de transcendência ao tentar levar o que imagina ser a vida de um santo.

Um deus severo vigia essa aldeia habitada por meninos que querem ser santos, estranhos homens ausentes e mulheres de costas curvadas pelo peso da vida. Nessa aldeia sem nome, o menino Benjamim lembra, num presente interminável, a ruína da sua casa, arrasada sob o peso das chuvas e das lamas, das culpas e das ganâncias.” - Maria Angélica Melendi

[...] toda a narrativa de Valter Hugo, neste livro, é subversiva, aparentemente natural mas, de fato, estranha. Posso até imaginar que tenha ele pretendido fingir que quem escreveu aquilo seria um menino de oito anos. A verdade, porém, é que, como o livro não foi escrito por um menino mas pelo autor adulto, resulta uma escrita altamente sofisticada, como um poema em prosa.” - Ferreira Gullar

voltar à tela anterior