Infelizmente o nosso site não funciona neste browser. Por favor, atualize-o para uma versão mais recente.

A Humana oferece FRETE GRÁTIS nas compras acima de R$ 100,00
O linchamento que muitos querem esquecer

O linchamento que muitos querem esquecer

Monica Hass
tipo livro
estado novo
capa dura
editora Argos
ano de publicação 2013
categoria(s) Ciências Humanas
subcategoria(s) História
número de páginas 182
peso 440g
dimensões 24cm / 16cm / 2cm
R$ 44,00

descrição

Os acontecimentos de outubro de 1950, que resultaram na prisão, tortura e linchamento de quatro pessoas em Chapecó, marcaram para sempre a história da cidade. Durante anos o assunto foi proibido e o fato somente teve publicação maior em O Cruzeiro, a principal revista ilustrada brasileira do século XX. A jornalista, professora e escritora Monica Hass começou a resgatar essa história em 1986, quando escolheu o tema para o seu trabalho de conclusão do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

O prefácio da nova edição é assinado pelo professor Dirceu Hermes, que também é coordenador da Editora Argos. Para ele, com o livro Monica Hass dá sua contribuição ao resgate da história e torna público o debate de um acontecimento que foi publicado com detalhes apenas pela revista O Cruzeiro, que na década de 1950 era o veículo de maior circulação do Brasil.

Conforme Dirceu, “O linchamento que muitos querem esquecer” é um dos principais títulos da Argos. "A editora tem um viés regional e a obra aborda justamente um contexto histórico, político e social marcante para a nossa região.” Destaca, ainda, que o livro é uma leitura instigante. “É uma obra prima da história regional”, enfatiza.

Ousadia, coragem, perspicácia. Estes podem ainda não ser os melhores adjetivos para qualificar a iniciativa de Monica Hass ao recuperar os acontecimentos ocorridos em outubro de 1950, que resultaram na prisão, tortura e linchamento de quatro pessoas em Chapecó, e torná-los públicos neste livro. Os fatos ocorridos naquela época marcaram para sempre a história de Chapecó e durante muitos anos foram assuntos proibidos”, afirma o prefácio.

voltar à tela anterior